Roupas baratas na Europa



Vivi na Inglaterra e percebia que muitas das liquidações que eu aproveitava eram difíceis de entender (tão baratas) lembro de quando comprei umas blusinhas na NEXT que de 20 a 49 Libras me custaram somente 2 Libras cada. Tenho até hoje pois eram de boa qualidade.

Hoje estou em Bangladesh tomo total conhecimento de que meninas menores de 15 anos e crianças trabalham em fábricas por 10 a 16 horas diárias... Se você olhar no seu jeans, talvez ele tenha sido produzido na Asia ou aqui. Provavelmente seu jeans custou bem mais que a média salarial paga neste país. Se você estiver no Brasil, talvez seja diferente mas se você já fez compras na New Look, TOP SHOP, GAP, Primark e outras vai achar tal etiqueta - made in Bangladesh. Algumas destas lojas como a TOP SHOP está tentando vender produtos com a etiqueta de comércio justo para salvar a reputação. Ouvimos dizer que na Inglaterra alguns consumidores deixaram de comprar na Primark, a mais barata de todas.
Todos dias indo pra escola vejo um exercito de mulheres indo trabalhar. A media salarial mensal é de U$ 40,00 (quarenta dolares). Desta forma sobrevivem e ainda mandam algum dinheiro para as familias que moram na aldeia. Nos últimos anos mais de 3 mil pessoas morreram por acidentes decorridos das péssimas condições de trabalho, na maioria incendios.
Sobreviver literalmente é comer arroz de manhã, arroz e lentilhas ao meio dia e arroz a noite com algumas pimentas e beber água. Só isso, sempre, todos os dias. Muitas delas bem antes dos 30 já desenvolvem problemas nos ossos por falta de cálcio.
Se você estiver indo pegar um suquinho na geladeira e sentir um segundo de culpa por ler este artigo, saiba que sentimos isso o tempo todo na quarta cidade mais pobre do mundo. Se em um outro segundo você ficar triste por elas, ore, pois as piores condições ainda podem ser das que ficam nas vilas ou aldeias.
Segundo a UNICEF 400 meninas entre 12 -16 anos são traficadas para a indústria do sexo mensalmente em Bangladesh. Mais de um milhão por ano no mundo. Normalmente são familias muito humildes de aldeias remotas que por uma promessa de trabalho na Índia ou em outro lugar deixam suas filhas serem levadas pacificamente.
Uma dessas milhares histórias que acontecem diariamente teve um final feliz. A familia permitiu que a filha de 16 anos fosse trabalhar em uma fabrica de roupas em outra cidade, mas de lá a menina foi traficada para a Índia, para a zona de prostituição de Kolkata. Uma vez na Índia, já há algum tempo na zona vermelha, foi encontrada por pessoas que puderam reconectá-la com a familia. Os pais recebendo noticias da filha que estava desaparecida choraram de alegria.
Hoje ela tem um emprego bom, um salário justo, caderneta de poupança, dignidade e liberdade, o que faz toda a diferença.

posted under |

4 comentários:

Professora de Escola Dominical disse...

As pessoas fazem boicote a produtos de empresas que poluem o ambiente, deviam boicotar também empresas que lucram em cima da escravidão, né amiga?

...Eu ficaria com raiva se tivesse comprado um produto desses.

...E a bíblia sempre disse com clareza... não se pode servir a dois senhores.

O blog tá lindo, menina.
Amo ler o que escreves.

Beijos e muitas saudades.

\o/

vera disse...

amada, estou adorando esse blog, instrutivo e toca "fundo" o coração. Voce é uma luz em minha vida. te adoro.

Kharis disse...

Você também ilumina minha vida querida, q saudade !

Alexandre Lettnin disse...

Aprecio a tua abordagem da desigualdade a partir das roupas. Certamente existe um enorme fosso entre England e India. No Brasil apesar de termos dado um salto nos últimos anos com relação a diferença na piramide social, ainda falta muito para termos uma justiça social perto da inglesa - ainda temos bastante trabalho escravo por aqui!
Teu artigo me lembra duas obras de arte que estive re-assistindo neste mês: "Metrópolis" do Fritz Lang e "Tempos Modernos" do Chaplin, ambos em PB e da época do cinema mudo. Eles denunciam basicamente que, graças a ganância de alguns, muita gente padeçe: o que mais aconteceu depois da revolução industrial capitalista...
No filme Metrópolis, a mensagem final - depois de tudo ter entrado em colapço - era de que "o mediador entre o cérebro (grandes industriais) e as mãos (o povo trabalhador) deveria ser o coração". Sem os sentimentos vindos de um bom coração tudo acabaria em escravidão.

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

    Bem vindos..

    Eu por dentro não é mistério, sou livro aberto. Eu estar dentro da Índia não é novidade mas a cada dia as novidades acontecem.

    Tudo tem se acumulado desde que cheguei aqui e como já dizia a poeta PALAVRAS, preciso delas escritas...

    Contar para alguém é um alívio, hoje conto pra você.

    Obrigada por me ouvir.

    Quem sou eu

    Minha foto
    Sou brasileira, moro na Índia e sou sensível. Sensível as necessidades dos outros. Essa combinação pode ter efeitos muito bons se vierem acompanhados por força de ação e criatividade. Você pode ajudar muitas pessoas aqui. Por outro lado, essa combinação pode ter efeitos contrários se diante de tanto sofrimento você deixar seus olhos ocupados demais e assim deixar de ver a esperança na fala do passarinho, que com água no bico tentava apagar o fogo da floresta inteira, dizendo: Eu pelo menos estou fazendo a minha parte. Eu sou fâ, sempre fui, deste passarinho...

    Meditação


    Seguidores


Recent Comments